O dia em que abandonei Instagram, Twitter e Cia

Depois de tantas brigas, desgostos é falta de identificação, acabei desinstalando meus apps de redes sociais do celular.

Desde sempre estive na internet. Era da turma do sábado a meia noite, bate papo do uol, depois Orkut, Facebook, Twitter, Instagram e cia.

Mas depois das tretas políticas e perdas financeiras ( sim meus clientes me adicionavam e deixaram de me contratar por ser petista bolsonarosta demais.

Afinal é sobre o que a pessoa entende e não sobre o que você falou. Textões de redes sociais sempre foram um atrativo pra mim. Mas foram mirrando com a “falta” de interação dos “amigos” de redes sociais.

Assuntos que eu adorava debater estavam na boca de acéfalos que nunca ouviram falar do assunto, fazem pautas e ganham likes dizendo o que a pesquisa aponta pra dizer. Ter opinião era excludente.

Aí veio a era da Instagram. Da merda do. Porque agora todo mundo é famoso e vende tudo direto do celular genialmente. Muitos fakes. Muitos falidos virtuais e “bem sucedidos”.

No começo era 1 publicidade a cada 10 posts. Hoje são 2 posts e uma publicidade. E os celulares guardam nossas intimidades e nossas mais precisas informações.

O Google tem uma lista infinita de tudo que você pesquisou de seu celular ou mesmo no computador enquanto está logado.

Por isso ficava 2 minutos no insta, aí via algo de meu interesse e passava tempos vendo peixes, bombas, tudo de meu interesse. Mas que não deveria perder tempo e me frustrar por não poder comprar tudo isso.

O Twitter também se tornou um antro da esquerda que ainda tem um exército de fakes e esquemas automatizados funcionando. Aí você discute uma hora com um robô.

No Facebook as pessoas ainda tem somente porque não querem criar contas em outros sites. Virou um grande login automatizado.

Tendo em vista tantas desvantagens e perda de tempo, decidi me privar de tudo por tempo. Vamos ver quanto dura a abstinência.